Fique sempre atualizado

Minuto de economia

Fique por dentro de tudo que acontece.

MINUTO DE ECONOMIA

A vacina é a forma mais eficiente de recuperar a economia…

O governo prevê gastar R$22,29 bilhões com a aquisição de vacinas. O valor é menor que a previsão de gastos com esta última rodada do auxílio emergencial. E muito menor do que todas as outras rodadas do
auxílio.
Considerando o estudo do ministério da Economia que calculou um impacto de 0,13 p.p. no PIB para cada 10% da população vacinada e o custo médio das duas vacinas mais aplicadas no Brasil (CoronaVac – R$58,20 e AstraZeneca R$17,28), o custo médio para a vacinação aumentar o PIB em 0,13 p.p. no PIB é de R$1,6 bilhão.
O governo prepara uma nova rodada de pagamentos do auxílio emergencial. Em 2020 foram gastos R$293,11 bilhões dos R$322 bilhões previstos para nove rodadas do auxílio, que contribuiu para um resultado do PIB melhor do que o projetado no início da pandemia.
Em 2021, o pagamento do auxílio começou em abril em valores menores do que 2020 e previa
inicialmente o pagamento de quatro parcelas que variam de R$150 a R$375. Para aprovar esta rodada o
governo precisou de uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC), já que o orçamento de 2021 ainda
não havia sido aprovado. Para a nova rodada do auxílio, o governo planeja gastar mais R$20 bilhões que devem ser liberados pela edição de uma MP de crédito extraordinário. A meta primária não deve ser alterada dos atuais R$ 247 bilhões de déficit. Considerando as novas informações disponíveis, a projeção da GO Associados passou para um déficit de R$150 bilhões em 2021 contra R$ 187 bilhões segundo o número do governo.

Com isso, a ajuda voltada aos mais vulneráveis durante a pandemia de Covid-19 será estendida até outubro, nos mesmos valores de R$ 150 a R$ 375 e com igual alcance em termos de público. Hoje, o auxílio contempla cerca de 39,1 milhões de brasileiros.
A prorrogação do auxílio deve aumentar a possibilidade de implementação do sucessor do Bolsa Família.
Isto porque as famílias contempladas pelo Bolsa são “transferidas” para a folha do auxílio durante
vigência, poupando o orçamento do programa. A atual “sobra” do Bolsa Família dentro do teto é de aproximadamente R$ 7 bilhões e deve ficar maior com a extensão da ajuda temporária aos vulneráveis. Esta sobra deve turbinar o novo programa social, que deverá ser lançado este ano ou será engavetado, dado que 2022 é ano de eleição. A questão que
permanece é se o gasto previsto para este programa caberá no teto em 2022.

Compartilhe essa publicação!

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Talvez essas publicações também te interessem!