Fique sempre atualizado

Minuto de economia

Fique por dentro de tudo que acontece.

MINUTO DE ECONOMIA

Estímulos fiscais ao redor do mundo e otimismo em relação àrecuperação da economia brasileira fazem Copom aumentara taxa Selicem0,75p.p. …

  • O Comitê de Política Monetária (Copom) aumentou em 0,75p.p. a taxa básica de juros, conforme indicado na ata da última reunião, ocorrida em março. A taxa básica de juros passou de 2,75% para 3,5% ao ano. É o segundo aumento consecutivo da taxa Selic em 2021. 
  • O Copom também indicou que para a próxima reunião (15 e 16 de junho) deverá haver um novo aumento na mesma magnitude. Isso levaria a Selic a encerrar o primeiro semestre em 4,25%.  

Metas de inflação e projeção da taxa Selic 

  • O comunicado do Copom destaca a continuidade dos estímulos fiscais e o avanço da vacinação no cenário internacional. 
  • Apesar do início da vacinação no Brasil, o comunicado continua ressaltando o cenário de incerteza, os efeitos econômicos da segunda onda e o risco fiscal que a necessidade dos atuais e novo gastos para enfretamento da pandemia podem acarretar. 

Plano Safra deve continuar a priorizar pequenos e médios produtores…  

  • Em audiência na Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara dos Deputados, a ministra Tereza Cristina destacou que o Plano Safra 2021/22 continuará priorizando os pequenos e médios produtores com crédito rural, dado que os produtores maiores conseguem adquirir financiamento através de outras fontes.  
  • Além disso, solicitou o apoio dos deputados para a breve aprovação do projeto do governo que abre crédito suplementar de R$ 19,768 bilhões. 
  • Apoiar a produção nacional é importante e tem reflexos em toda a economia. Em 2020, os alimentos foram protagonistas na inflação. O câmbio desvalorizado e o aumento da demanda asiática fizeram disparar o preço dos alimentos no mercado doméstico, com destaque para o óleo de soja e o arroz (que ficaram 103,79% e 76,01% mais caros, respectivamente, no acumulado de 2020). 
  • Como reação, o governo chegou a zerar impostos de importação de arroz em setembro de 2020 para atenuar a alta dos preços, o que causou descontentamento dos produtores brasileiros.  
  • Outra cultura que deve continuar a receber investimentos é o milho, pois sua produção vem batendo recordes há dois anos no país. De acordo com a ministra, a expectativa para a próxima safra é “muito boa”, de 108 milhões de toneladas, 17 milhões de toneladas a mais do que em 2020. 

Compartilhe essa publicação!

Talvez essas publicações também te interessem!