Fique sempre atualizado

Minuto de economia

Fique por dentro de tudo que acontece.

MINUTO DE ECONOMIA

Recorde de emprego formal pelo Caged maior geração de vagas desde 2010… 

  •  Registrado ganho líquido de 324.112 empregos formais em novembro, resultando em cerca de 3 milhões de vagas no mercado de trabalho formal em 2021. 
  • Foram criados 324 mil empregos formais em novembro. O saldo de empregos formais acumulados desde o início de 2021 é de 2,99 milhões.  
  • O Ministério do Trabalho adiantou para hoje a divulgação dos dados do Caged, que seriam divulgados na próxima terça-feira (28/12).  
  • Em dezembro o histórico mostra que o saldo deva ser negativo, refletindo a demissão de trabalhadores temporários no final do ano. Entretanto, não deve comprometer um saldo anual razoável para 2022.  
  • No mês de novembro a maior contribuição para o saldo positivo veio do setor de serviços (180,96 mil). E o único saldo negativo foi o da agropecuária (-16,8 mil). 

Criação de empregos por setor  

  • Apesar da revisão em 2020, que resultou em uma perda de vagas em no ano, a forte recuperação do mercado de trabalho em 2021 é inequívoca e observada também na PNAD Contínua.   
  • A taxa de desemprego que chegou a 14,9% no 1º trimestre de 2021, fechou o 3º trimestre em 12,6% e deve continuar a cair até o primeiro trimestre de 2022.  

Prévia da inflação fecha 2021 em 10,42%, mas resultado de dezembro reforça desaceleração inflacionária… 

  • O IPCA 15 de dezembro subiu 0,78% em linha com a projeção de mercado (0,80%) um pouco abaixo da projeção da GO Associados (0,91%).  
  • O número mostra uma desaceleração na inflação. O IPCA-15 de novembro foi de 1,17%. Esta desaceleração deve continuar na divulgação do IPCA de dezembro. 
  • O resultado representa a maior alta acumulada em 12 meses para dezembro desde 2015.   
  • O grupo combustíveis (3,40%) foi mais uma vez a principal responsável pelo resultado de dezembro. A gasolina subiu 3,28%.  
  • O setor de transportes foi o principal vilão da inflação em 2021, com alta de 21,35%.  
  • Dentre os 15 itens com a maior alta, o etanol liderou em 2021, com a gasolina em 4º lugar e o gás de botijão em 10º.  
  • Dentre os produtos que mais caíram em 2021, o destaque é para o arroz, produto cujo preço registrou alta de 72,5% em 2020.  
  • No item habitação a energia elétrica foi o item que mais subiu (0,89%).  
  • Para conter a elevação dos preços, o Copom subiu os juros a 9,25% a.a. na última reunião de 2021 e deverá reajustar para 10,75% na primeira reunião do ano em 02/03 de fevereiro.  
  • A alta da taxa de juros encarece o custo do dinheiro, inibindo parte da demanda na inflação. Mas não resolve o problema de oferta ocasionado pela crise hídrica e desorganização das cadeias produtivas ou a incerteza quanto à situação fiscal que continua pressionando o preço do dólar. 
  • Estes problemas devem perdurar em 2022, ano eleitoral, quando corte de gastos e rigidez fiscal encontram maior resistência política.  

Compartilhe essa publicação!

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Talvez essas publicações também te interessem!