Fique sempre atualizado

Minuto de economia

Fique por dentro de tudo que acontece.

MINUTO DE ECONOMIA

Votação apertada da PEC dos Precatório em 1º turno indica dificuldade do governo para aprovar o drible no teto de gastos…  

  • A PEC dos Precatórios foi aprovada em 1º turno na Câmara dos Deputados por 312 votos a 144. A aprovação foi apertada com apenas quatro votos acima do mínimo necessário (308). 
  • A votação de segundo turno deve ocorrer hoje ou na próxima terça. Apesar desta primeira aprovação, o placar apertado liga alguns sinais de alerta: 
  1. O placar apertado indica que, mesmo com a força tarefa, a adesão à proposta foi menor que a esperada; 
  1. A aprovação dependeu de votos de partidos de oposição, como PDT e PSB. Deve haver forte pressão sobre os parlamentares destes partidos para que mudem de posição. O candidato à presidência Ciro Gomes, terceiro lugar na maioria das pesquisas eleitorais, anunciou a suspensão de sua candidatura, enquanto não houver reavaliação da posição desta parcela da bancada; 
  1. Se a aprovação na Câmara está sendo difícil, no Senado a resistência deve ser maior dada a dificuldade de articulação do governo nesta Casa. 
  • Segundo cálculos do Ministério da Economia, a PEC abre cerca de R$ 91,6 bi de espaço no teto de gastos: R$ 47 bi da mudança retroativa no cálculo do teto de gastos e R$ 44,6 bi pela limitação de pagamento de precatórios. Este valor deve ser usado para o pagamento do Auxílio Brasil. 
  • A PEC teve efeito negativo sobre as expectativas fazendo com que o Banco Central tivesse que aumentar a taxa de juros em 1,5 p.p., prometendo outro ajuste de igual magnitude na reunião de dezembro. A expectativa original era de dois aumentos de 1 p.p.. 

Escassez de matéria prima e crise hídrica derrubam produção Industrial pelo terceiro mês consecutivo…  

  • A produção industrial caiu em agosto 0,4%, resultado pior do que a expectativa do mercado, (-0,3%) e melhor do que a projeção da GO Associados, de queda de 1,1%. Em relação a setembro de 2020 a queda foi de 3,9%, abaixo da expectativa do mercado e da GO Associados, de queda de 4,1%. 
  • A indústria após uma forte recuperação para a reposição de estoques sofreu em 2021 com a falta de matérias-primas. Desde o início do ano a indústria apresentou queda em sete dos nove meses.  
  • Esta queda tem se concentrado no setor de produção de bens de consumo duráveis, que caiu 26,5% em relação ao patamar de dezembro de 2020. A automobilística é a principal indústria que vem apresentando dificuldades com a falta de semicondutores e, mais recentemente, de magnésio. 
  • Apesar do desempenho negativo de quase todas as grandes categorias, o acumulado de 12 meses ainda é positivo em 6,4% e no ano de 7,5%. 

Desempenho da indústria acumulado em 12 meses até setembro de 2021  

Fonte: Pesquisa Industrial Mensal – IBGE.  
  • A indústria teve uma recuperação rápida após o grande tombo entre março e abril de 2020. Entretanto, para 2021 há alguns pontos de atenção, como o agravamento da crise hídrica, com impactos no custo da energia, o último reajuste nas contas de luz entrou em vigor justamente em setembro. Além da falta de insumos e a volatilidade do câmbio.   
  • A alta do preço das commodities no mercado internacional foi potencializada pela alta do Dólar em relação ao Real. Os impactos dessas variáveis para o custo ao produtor também têm sido apontados como um dos grandes problemas.  
  • O problema da falta de insumos não é uma exclusividade do Brasil, tratando-se de problema mundial. Adicionalmente, os estoques reduziram-se estruturalmente com a adoção do sistema just-in-time.   
  • A conjunção desses fatores com a pausa simultânea dos mercados internacionais imposta pela pandemia de Covid-19 gerou a tempestade perfeita para uma disrupção das cadeias globais de produção. 

Compartilhe essa publicação!

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Talvez essas publicações também te interessem!