Fique sempre atualizado

Minuto de economia

Fique por dentro de tudo que acontece.

MINUTO DE ECNOMIA

Aumento de pessoas procurando emprego mantém taxa de desemprego estável. Taxa real cai indicando melhora no mercado de trabalho…  

  • A taxa de desemprego no trimestre móvel encerrado em maio caiu para 14,6%, ante 14,7% em abril. A queda foi ligeiramente inferior às expectativas do mercado e da GO Associados que projetavam 14,5%. No mesmo trimestre de 2020 a taxa era de 12,9%.  
  • Este menor ritmo na recuperação se deve à reação da taxa de participação. Após seis meses de estabilidade na faixa de 56,8%, a proporção de brasileiros em idade ativa que estão empregados ou buscam ativamente um emprego subiu para 57,2%, o que contribui para uma taxa de desemprego maior. 
  • O relaxamento das restrições e o avanço da vacinação fazem com que mais pessoas resolvam voltar a buscar emprego. Entre abril e maio deste ano, 801 mil pessoas voltaram para a força de trabalho. No entanto, em relação a janeiro de 2020, ainda há 4,5 milhões de pessoas a menos.   
  • A taxa de subutilização (desemprego + desalento + subocupação) segue bastante elevada, registrando 29,3%. São mais de 33 milhões de pessoas subocupadas.  
  • A taxa real de desemprego calculada pela GO Associados, que crescia desde o fim do ano passado, caiu significativamente, de 19,1% para 18,3%.  
  • Neste cálculo o nível de participação da força de trabalho é mantido constante em relação à população acima de 14 anos com base nos dados de 2019. Dessa forma, o crescimento da força de trabalho reflete o crescimento populacional ponderado por uma taxa de participação “normal” no mercado de trabalho.  

Taxa real de desemprego é maior do que o número oficial  

O que vai mexer com as expectativas na próxima semana…     

No cenário doméstico:    

  1. O principal destaque da próxima semana será a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) na quarta (4). A projeção da GO Associados é de que a taxa básica de juros passe a 5,25%, com um aumento de 1 p.p.. 
  1. Destaque também será o retorno do Congresso na terça (3). Este 2º semestre será de particular importância para a discussão de importantes reformas, como a administrativa e a tributária, dado que 2022 será ano eleitoral. Há expectativa para a votação na próxima semana do projeto que altera a tributação da renda.  
  1. A CPI da Covid também será retomada na próxima semana. Importante lembrar que a CPI teve sua duração máxima prorrogada para dia 5 de novembro. 
  1. Na terça, dia 3, ocorrerá a divulgação da Produção Industrial Mensal de junho. No 1º semestre o desempenho da indústria foi irregular com três meses de queda entre fevereiro e abril. A principal causa é a quebra de algumas cadeias globais e a consequente falta de matéria-prima.  

No cenário internacional:  

  1. No cenário internacional o destaque será a divulgação da taxa de desemprego dos EUA na sexta, dia 6. Em fevereiro de 2020, a taxa era de 3,5% enquanto o último dado, de junho, indicava desemprego em 5,9%. 
  1. Este dado é especialmente importante, dado que o FOMC coloca como condicionante para a mudança da atual política monetária o retorno da taxa a patamares pré-pandemia. A inflação já acumula 3,99% nos últimos 12 meses até junho, praticamente o dobro da meta, de 2%.  
  1. No início da semana o destaque será a divulgação dos Índices de Compras dos Gerentes (PMI) do mês de julho para EUA, China e Europa. 
  1. Por fim, na quinta ocorre a reunião de política monetária do Bank of England. 

Compartilhe essa publicação!

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Talvez essas publicações também te interessem!